top of page

Desmistificando o mercado de RIG

Atualizado: 13 de fev.



O início da carreira profissional pode significar um grande desafio para quem está procurando o primeiro emprego e ainda não possui experiência na área escolhida. Para quem está se formando em Relações Institucionais e Governamentais (RIG), a regra não é diferente. Os cargos mais desejados pedem vivência e a prática no dia a dia do mercado, porém, para quem está à procura de um estágio, é possível seguir algumas dicas para tornar o seu currículo bastante atraente para as empresas.


Para auxiliar os novos talentos, a Comunidade Inteligov tem realizado diversas ações para compartilhar conhecimento e fomentar a inovação nos processos realizados pelos profissionais de RIG. E, foi pensando em mostrar como destacar suas competências e habilidades que a estudante Tirza Meleah, coordenadora discente do workshop de RIG da Universidade Católica de Brasília (UCB) e influenciadora da Comunidade Inteligov, promoveu um talk para desmistificar o mercado de RelGov e ajudar quem está dando os primeiros passos para dentro da área.


O bate-papo foi realizado no dia 10 de outubro e contou também com a participação de Beatriz Falcão, head de policy e gerente da Comunidade.

De acordo com Tirza, a primeira pergunta que você deve se responder é: “Onde eu quero chegar?”. Isso porque é importante saber por onde você deve iniciar a construção do seu plano de carreira, como será a sua jornada de conhecimento e quais serão as habilidades e experiências importantes na sua formação. Um lobista pode atuar em organizações privadas, consultorias, multinacionais, bancos, sindicatos, etc. Portanto, saber o caminho que você quer trilhar é o primeiro passo para tomar as próximas decisões.


E isso quer dizer que todos vão passar por todas as etapas de uma formação? Não! Essa é a regra, mas também pode acontecer de você pular algumas etapas, o que não é o usual. O comum é que você entre em uma empresa como um estagiário, torne-se trainee, assistente, analista e assim por diante. 


Como a área de RIG está em crescimento no Brasil, há muitos espaços a serem ocupados pelos profissionais que estão se formando, porém, é necessário ter em mente que da mesma forma que o mercado cresce, a concorrência também aumenta. Ou seja, você não precisa estar dentro de uma empresa para iniciar o seu desenvolvimento profissional. O ideal é buscar, desde o início da faculdade, por cursos, workshops e movimentar o seu networking. A estudante de RIG destaca que os colegas que estudam com você serão também os seus colegas de profissão, chefes ou clientes: “Crie pontes e nunca barreiras! Dê atenção a todos e faça aliados”, pontua.


Preparando o currículo

Já sabe onde você quer chegar? Então agora é o momento de fazer com que o seu currículo fale isso por você! Diferentes áreas de atuação exigem currículos distintos. Na prática, isso quer dizer que você vai precisar adequar o seu currículo para cada vaga que pretende concorrer. Ou seja, especifique com mais cuidado as suas habilidades que mais se assemelham aos pré-requisitos de cada processo seletivo, geralmente na descrição das vagas já é possível ter uma ideia do que estão procurando. Fique ligado também nas informações de bastidores, por exemplo, se um conhecido está divulgando a vaga, pergunte quais são os pré-requisitos essenciais e foque em desenvolvê-los. 


“Destaque no currículo as palavras-chave importantes para a vaga que você está concorrendo e deixe de fora tudo aquilo que é irrelevante.”, adverte Tirza.

Neste processo de adequação do currículo, peça ajuda aos seus professores, eles podem dar dicas valiosas quanto ao conteúdo. Outro fator que vale a pena destacar é a objetividade das informações e a padronização de datas: “As empresas dificilmente te darão feedback positivo ou negativo sobre o seu currículo, portanto formate-o da maneira mais limpa e organizada possível”, indica Tirza. Se você não sabe como formatar um currículo, uma boa ideia é utilizar um modelo pronto do word para seguir uma padronização. 


Há também a possibilidade de escrever uma carta de apresentação. Essa é uma ferramenta muito útil para mostrar mais sobre você, exalar confiança e indicar uma boa relação com a escrita. Mas só faça a carta se realmente se sentir confortável para escrever. Se por acaso achar que não consegue cumprir com a tarefa de ser claro e objetivo, deixe a carta de lado e opte por indicar pessoas que podem te fazer uma boa referência, isso claro, depois de ter pedido pela permissão delas.


Dica de ouro: não minta sobre as suas habilidades!



Como encantar nas entrevistas?

Gostaram do seu currículo e te chamaram para a entrevista. Agora é a hora de mostrar o seu diferencial em relação aos outros candidatos! Parece óbvio, mas é sempre importante destacar três fatores que, de cara, já podem causar uma boa impressão: seja pontual; seja polido na forma de falar; e vista-se com roupas limpas e que não chamem muito a atenção.

“Evite roupas rasgadas, decotadas, chamativas e desalinhadas. Se a sua avó conservadora aprova a sua roupa para uma missa de domingo, então você está vestido de acordo para uma entrevista!”, brinca Tirza.

Nunca vá despreparado para uma entrevista de emprego. Este é o momento em que o recrutador vai entender se você é a pessoa certa para a vaga, então não deixe de pesquisar sobre a empresa, mostre-se interessado em aprender e faça perguntas pertinentes sobre a função que você poderá vir a ocupar. Saber quem vai te entrevistar também é importante: “Entenda o campo de atuação da empresa e tente descobrir se a pessoa com a qual você vai conversar é da área de RIG ou do RH, assim você poderá dar respostas mais direcionadas.”, afirma Beatriz.


Ao final da entrevista, lembre-se de perguntar em quanto tempo eles darão uma devolutiva. Essa também é uma forma de demonstrar interesse, e caso a empresa não te contrate, não hesite em pedir um feedback para saber quais são os pontos que você pode ajustar para uma próxima oportunidade. 


Por fim, redobre a atenção em suas redes sociais, principalmente nas postagens do LinkedIn! Tirza ressalta que “quem não é visto, não é lembrado”, portanto é essencial atualizar o seu perfil e fazer conexões com pessoas da área para ficar por dentro do que está acontecendo no mercado. Caso tenha dúvidas sobre o tipo ou a frequência das publicações, escolha por comentar semanalmente os eventos que você participou ou conte  insights interessantes que você teve sobre determinado curso.


Mas é preciso tomar cuidado para não acabar se prejudicando: “Se você não está fazendo nada relacionado com a área de RIG, não poste opiniões muito pessoais. Assim como a carta de apresentação, o LinkedIn pode te ajudar ou atrapalhar muito, dependendo de como você se coloca”, destaca Beatriz. E, como último lembrete, Tirza ainda ressaltou que é possível ver no perfil quais foram as publicações curtidas pelo usuário, ou seja, é preciso prestar atenção aos assuntos que você endossa com os likes!


O processo para iniciar a vida profissional pode ser trabalhoso, mas é necessário ter paciência, foco e dedicação! Não deixe de contar com pessoas que já passaram por essas etapas e que podem te ajudar contando sobre as suas experiências. A Comunidade Inteligov é um canal onde os novos talentos têm a oportunidade de se relacionar com grandes nomes da área, além de compartilhar conhecimento e contar com indicações de vagas, cursos e muito mais! 


Se você deseja fazer parte desse grupo, faça agora mesmo a sua inscrição

#relaçõesgovernamentais #Relgov #RIG #palavraschaves #linkedin #universidadecatólica #currículo #UCB #feedback #relaçõesinstitucionais #RH

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page